Ainda assim vou orar.

Certamente todos nós aqui sabemos do valor da . É por isso que oramos. No entanto não é um exercício espiritual fácil de ser praticado. Temos os inimigos da : o cansaço físico, o sono, a preguiça mental, a dificuldade de concentração, os sons do mundo, as tarefas cotidianas, a falta de fé no que Deus pode fazer, etc. Não é fácil reservar tempo para , mas é preciso fazê-lo.
O texto de Daniel 6 nos apresenta um homem acostumado à (v. 10).


Por causa de sua comunhão com Deus e sua vida era íntegra (v. 4), e próspera (v. 2 e 3). A fim de derrotá-lo os seus inimigos resolveram atingi-lo no centro de sua força: na sua vida de . É preciso ver aqui a artimanha de Satanás, inimigo da . Ele sabe que a é a fonte de vigor espiritual dos filhos de Deus. Se o inimigo destruir a vida de de uma pessoa então ele não precisa fazer mais nada.
Se cada um de nós averiguar o tempo em que mais fracos estivemos espiritualmente; o tempo em que cedemos mais espaço ao pecado, concordaremos que foi em tempo de pouca ou nenhuma .
“Satanás balança o berço quando dormimos em nossas orações” – Joseph Hill.
Daniel entendeu, no entanto que mesmo que haja um imperativo para não orar; mesmo que orar signifique um sacrifício, Ele ainda assim iria orar. Nenhum homem é maior que a sua vida de e Daniel sabia disso.
Nós devemos orar mesmo que todas as forças, naturais e sobrenaturais, tentem nos desestimular. Ainda que com lutas devemos orar. Eis alguns motivos sugeridos pelo texto:
I – A ORAÇÃO NOS FAZ PESSOAS MELHORES
• Em Daniel havia um “espírito excelente” (v. 3).
• O nosso espírito se refina em contato com o espírito de Deus. Eles se comunicam:
“O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (Rm. 8:16).
O Espírito Santo auxilia o nosso espírito em (Rm. 8:26).
Essa comunhão deliciosa de nossa alma com a luz molda o nosso caráter. Daniel era de uma vida lindíssima (v. 4).
e vida santa são uma coisa só… A ausência de uma significa a ausência de outra” E. M. Bounds.
fará o homem parar de pecar, ou o pecado o seduzirá a parar de orar” – John Bunyan.
“Abandone o quarto secreto, e sua vida entrará em declínie” – Isaac Watts.
“Quem ora bem vive bem”. – M. Lutero.
Que o nosso caráter, seja moldado pela constância em e não por fatores externos.
II – A ORAÇÃO NOS FAZ CONFIAR MAIS NO SENHOR
O verso 10 nos mostra que Daniel teme mais a Deus do que aos homens: ainda assim vou orar, dizia ele. Ele confia no Senhor. Os reinos passam, pensava Ele, mas o Senhor é eterno. Quem ora mais confia mais no Senhor, assim como vamos confiando mais em uma pessoa após um tempo gasto com ela. Não confiamos em estranhos, mas em amigos. À medida em que oramos criamos uma amizade com Deus e aprendemos a confiar Nele. Paulo dizia: “Porque eu sei em quem tenho crido” (2 Tm. 1:12). À medida em que oramos mais a nossa fé aumenta também. Em um tempo em que tem se tornado comum os crentes procurarem auxílio terapêutico em profissionais, devemos redescobrir o segredo de depositar aos pés de Cristo o nosso fardo. Jesus nos convida a ir a Ele primeiramente, não aos homens (Mt. 11:28-30).
“O tempo gasto de joelhos em fará mais para remediar as dores do coração e a tensão nervosa de que qualquer outra coisa” – George D. Stewart.
Devemos neste momento refletir também sobre a benção que é orar por outra pessoa. A intercessão ajuda-nos a confiar, conjuntamente, no Senhor.
Quem orar com mais intensidade e constância terá mais vitória sobre as preocupações comuns (Fl. 4:6, 7).

III – A ORAÇÃO ATRAI O PODER DE DEUS
Daniel, por causa de sua vida de , está agora na cova dos Leões. Ele está em perigo de morte e não pode fazer nada. Todo o seu esforço agora é em vão (v. 16, 17).
Em algum tempo Deus parece não ouvir a nossa . Ou então achamos que Ele está demorando demais para agir. Em nossa limitação não entendemos o modo de Deus agir. No entanto a história tem demonstrado que quando Deus, na sua soberania, quer agir, nada lhe é impossível. Ele enviou os seus anjos a fechar a boca dos leões. O que para o Rei era um a possibilidade (v. 20) para Daniel era uma realidade.
Vejo tanto simbolismo entre estes “leões” citados por Daniel e o nosso adversário que ruge como leão procurando alguém para tragar (1 Pe. 5:8). Deus ainda fecha a boca dos leões. Jesus é o mais valente (Lc. 11:22). Os anjos ainda estão em ação (Hb. 1:4). O nosso pecado é que impede que Deus opere mais milagres em nossa vida (Is. 59:2). A é uma porta aberta para a ação de Deus. “Deus governa o mundo por meio das orações dos santos” – Andrew Murray.
CONCLUSÃO – Ainda que com dificuldades, com lutas, com fraqueza, aprendamos a orar. Que a seja para nós um hábito diário. Que experimentemos o poder de Deus através deste canal que é a . Que nos identifiquemos com o Senhor Jesus, que preferia a às multidões (Mt. 14:22, 23), que dava o melhor do seu tempo para estar com Deus. Desliguemos o rádio, a TV, o computador, o celular, entremos no lugar secreto e mantenhamos uma comunhão com Deus. Há recompensas (Mt. 5:6).

Ainda assim vou orarDANIEL 6:1-28Luiz César Nunes de Araujo
Certamente todos nós aqui sabemos do valor da . É por isso que oramos. No entanto não é um exercício espiritual fácil de ser praticado. Temos os inimigos da : o cansaço físico, o sono, a preguiça mental, a dificuldade de concentração, os sons do mundo, as tarefas cotidianas, a falta de fé no que Deus pode fazer, etc. Não é fácil reservar tempo para , mas é preciso fazê-lo.O texto de Daniel 6 nos apresenta um homem acostumado à (v. 10). Por causa de sua comunhão com Deus e sua vida era íntegra (v. 4), e próspera (v. 2 e 3). A fim de derrotá-lo os seus inimigos resolveram atingi-lo no centro de sua força: na sua vida de . É preciso ver aqui a artimanha de Satanás, inimigo da . Ele sabe que a é a fonte de vigor espiritual dos filhos de Deus. Se o inimigo destruir a vida de de uma pessoa então ele não precisa fazer mais nada.Se cada um de nós averiguar o tempo em que mais fracos estivemos espiritualmente; o tempo em que cedemos mais espaço ao pecado, concordaremos que foi em tempo de pouca ou nenhuma .“Satanás balança o berço quando dormimos em nossas orações” – Joseph Hill.Daniel entendeu, no entanto que mesmo que haja um imperativo para não orar; mesmo que orar signifique um sacrifício, Ele ainda assim iria orar. Nenhum homem é maior que a sua vida de e Daniel sabia disso.Nós devemos orar mesmo que todas as forças, naturais e sobrenaturais, tentem nos desestimular. Ainda que com lutas devemos orar. Eis alguns motivos sugeridos pelo texto:
I – A ORAÇÃO NOS FAZ PESSOAS MELHORES
• Em Daniel havia um “espírito excelente” (v. 3).• O nosso espírito se refina em contato com o espírito de Deus. Eles se comunicam:“O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (Rm. 8:16).O Espírito Santo auxilia o nosso espírito em (Rm. 8:26).Essa comunhão deliciosa de nossa alma com a luz molda o nosso caráter. Daniel era de uma vida lindíssima (v. 4).“ e vida santa são uma coisa só… A ausência de uma significa a ausência de outra” E. M. Bounds. “ fará o homem parar de pecar, ou o pecado o seduzirá a parar de orar” – John Bunyan.“Abandone o quarto secreto, e sua vida entrará em declínie” – Isaac Watts.“Quem ora bem vive bem”. – M. Lutero.Que o nosso caráter, seja moldado pela constância em e não por fatores externos.


II – A ORAÇÃO NOS FAZ CONFIAR MAIS NO SENHOR
O verso 10 nos mostra que Daniel teme mais a Deus do que aos homens: ainda assim vou orar, dizia ele. Ele confia no Senhor. Os reinos passam, pensava Ele, mas o Senhor é eterno. Quem ora mais confia mais no Senhor, assim como vamos confiando mais em uma pessoa após um tempo gasto com ela. Não confiamos em estranhos, mas em amigos. À medida em que oramos criamos uma amizade com Deus e aprendemos a confiar Nele. Paulo dizia: “Porque eu sei em quem tenho crido” (2 Tm. 1:12). À medida em que oramos mais a nossa fé aumenta também. Em um tempo em que tem se tornado comum os crentes procurarem auxílio terapêutico em profissionais, devemos redescobrir o segredo de depositar aos pés de Cristo o nosso fardo. Jesus nos convida a ir a Ele primeiramente, não aos homens (Mt. 11:28-30).“O tempo gasto de joelhos em fará mais para remediar as dores do coração e a tensão nervosa de que qualquer outra coisa” – George D. Stewart.Devemos neste momento refletir também sobre a benção que é orar por outra pessoa. A intercessão ajuda-nos a confiar, conjuntamente, no Senhor.Quem orar com mais intensidade e constância terá mais vitória sobre as preocupações comuns (Fl. 4:6, 7).


III – A ORAÇÃO ATRAI O PODER DE DEUS
Daniel, por causa de sua vida de , está agora na cova dos Leões. Ele está em perigo de morte e não pode fazer nada. Todo o seu esforço agora é em vão (v. 16, 17).Em algum tempo Deus parece não ouvir a nossa . Ou então achamos que Ele está demorando demais para agir. Em nossa limitação não entendemos o modo de Deus agir. No entanto a história tem demonstrado que quando Deus, na sua soberania, quer agir, nada lhe é impossível. Ele enviou os seus anjos a fechar a boca dos leões. O que para o Rei era um a possibilidade (v. 20) para Daniel era uma realidade.Vejo tanto simbolismo entre estes “leões” citados por Daniel e o nosso adversário que ruge como leão procurando alguém para tragar (1 Pe. 5:8). Deus ainda fecha a boca dos leões. Jesus é o mais valente (Lc. 11:22). Os anjos ainda estão em ação (Hb. 1:4). O nosso pecado é que impede que Deus opere mais milagres em nossa vida (Is. 59:2). A é uma porta aberta para a ação de Deus. “Deus governa o mundo por meio das orações dos santos” – Andrew Murray.


CONCLUSÃO – Ainda que com dificuldades, com lutas, com fraqueza, aprendamos a orar. Que a seja para nós um hábito diário. Que experimentemos o poder de Deus através deste canal que é a . Que nos identifiquemos com o Senhor Jesus, que preferia a às multidões (Mt. 14:22, 23), que dava o melhor do seu tempo para estar com Deus. Desliguemos o rádio, a TV, o computador, o celular, entremos no lugar secreto e mantenhamos uma comunhão com Deus. Há recompensas (Mt. 5:6).